Notícias

Sindicato acusa Emanuel de interferir em demissão no Denasus

O Sindicato dos Servidores do Sistema Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Unasus) acusa o prefeito Emanuel Pinheiro de intervir politicamente no Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) e provocar a exoneração do chefe do órgão em Mato Grosso, João Paulo Martins Viana, no último dia 8.

 

Emanuel formalizou uma reclamação contra João Paulo, acusando-o de persegui-lo durante investigações nas operações Curare e Colusão, da Polícia Federal, que apuram esquemas de corrupção com verbas federais destinadas ao combate à Covid-19.

 

Em nota de repúdio, o sindicato diz que "lamenta profundamente a tentativa do Prefeito Emanuel Pinheiro de intervir politicamente junto ao DENASUS e denegrir de forma covarde os servidores que atuam na Seção de Auditoria do Ministério da Saúde em Mato Grosso".

O Denasus é responsável por auditar a execução das políticas públicas no âmbito do SUS para aferir a sua adequação aos critérios e aos parâmetros exigidos de economicidade, eficiência, eficácia e efetividade, subsidiando as áreas técnicas do Ministério da Saúde com os resultados das auditorias, de forma a auxiliar na execução e no controle das suas políticas públicas.

 

A presidente do Unasus, Solimar Vieira da Silma Mendes, afirmou ao MidiaNews que João Paulo é um servidor de conduta ilibada e tem atuado nas auditorias que embasaram as operações como membro da equipe, não sendo responsável pela coordenação das apurações.

 

“O prefeito alegou que o colega não estava isento para participar das auditorias pelo simples fato dele não ter feito campanha eleitoral para ele em 2020. Infelizmente esse fato ocorreu e a gente entende que houve uma interferência política por essa situação”, disse.

“Até porque os fatos das denúncias contra a gestão da Saúde no município depõem contra esse prefeito, a malversação de recursos e muito mais, o que certamente aparecerá no resultado das apurações dessas auditorias”, completou.

 

“E como a ação está em andamento, o diretor do Denasus teve que optar pelo afastamento temporário do nosso colega”, disse.

 

"Ingênuo"

 

No documento, foram anexadas postagens feitas por João Paulo em seu Facebook, onde estaria acusando a gestão de Emanuel de prática de corrupção e pedindo votos para o ex-vereador Abílio Júnior (Podemos).

 

Solimar, no entanto, afirma que o ex-chefe do Denasus “ingênuo” ao compartilhar em sua rede social, no passado, matéria que depunha contra a gestão do prefeito em Cuiabá.

 

“Ele não escreveu. Ele pegou uma matéria pronta e colocou no Facebook dele. Ingenuamente ele fez isso, mas não é porque ele era contra ou a favor do prefeito. Mas a percepção do prefeito, é de que esse colega estaria agindo contra ele politicamente, o que não existe”, disse.

 

A presidente do Unasus ainda ressaltou seria impossível ao servidor não participar das auditorias requeridas pelo Ministério Público Federal (MPF) em razão do pouco número de servidores que a seção possui.

 

Para a gente, o prefeito está tentando desviar a atenção, procrastinar os resultados das ações e não assumir possível culpa na responsabilização dos atos de aplicação dos recursos da Saúde
Ela afirmou que as auditorias realizadas para as operações não são afetadas pela exoneração do servidor, que segue trabalhando normalmente, e que acredita no retorno de João Paulo para a chefia do órgão após a apuração do caso.

 

“Como ele sempre teve uma conduta ilibada, nunca teve problema com situações dessa natureza, a gente acredita que ele vai conseguir reverter essa situação e os fatos serão esclarecidos”, afirmou.

 

“Para a gente, o prefeito está tentando desviar a atenção, procrastinar os resultados das ações e não assumir possível culpa na responsabilização dos atos de aplicação dos recursos da Saúde”, completou.

 

Nota de repúdio

 

O sindicato emitiu nota de repúdio contra o caso, citando as auditorias feitas a pedido do MPF às quais João Paulo participou e pontuando que ele assumiu a chefia da seção em novembro do ano passado, saindo imediatamente de férias e retornando apenas no mês seguinte, “não sendo responsável direto pelas conduções dos trabalhos”.

 

Na nota, a entidade lamenta a “postura inadequada” do prefeito Emanuel Pinheiro em querer “inverter os fatos para inviabilizar o trabalho do Denasus [...] numa tentativa desenfreada de macular sua imagem e ao mesmo tempo de desqualificá-lo e ainda colocar as ações do Denasus sob suspeição, com a finalidade de não responder pelos atos irregulares praticados”.

 

“É temerário essa tentativa nítida de interferência política por parte do prefeito de Cuiabá junto ao Ministério da Saúde, em especial ao setor de Auditoria do Ministério da Saúde de Cuiabá, a fim de intimidar e ameaçar os servidores de carreira que cumprem rigorosamente a sua função pública de fiscalizar de forma ética o cumprimento das políticas do SUS, já que Cuiabá-MT se tornou um destaque nacional por conta da corrupção generalizada na pasta da Saúde na gestão do atual prefeito Emanuel Pinheiro”, destacou a nota.

 

FONTE MIDIA NEWS