Notícias

Justiça reverte decisão desfavorável ao SinMed/RJ

A 10ª Câmara Cível do Rio aceitou o recurso apresentado pelo Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed/RJ) e seu ex-presidente, Jorge Darze, em ação de danos morais movida pelo prefeito Eduardo Paes. De beneficiário de uma indenização de R$ 20 mil, Paes se tornou devedor de custas judiciais no valor de R$ 1 mil.

Em caso que se arrasta há anos na Justiça, Paes cobrava danos morais após ser acusado pelo sindicato de prevaricação e assédio moral. O fato que originou a acusação foi uma cobrança de atendimento imediato ao filho do prefeito no Hospital Municipal Lourenço Jorge, em março de 2016.

Em primeira instância, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro deu ganho de causa a Paes, que teria direito a uma indenização de R$ 20 mil. Em segunda instância, os desembargadores anularam a condenação. Paes terá de pagar as custas do processo.

Entenda o caso
Em 13 março de 2016, Eduardo Paes foi à emergência do hospital na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, em busca de atendimento para o filho de 11 anos, que havia se machucado durante um jogo com amigos.

Segundo relato de testemunha, insatisfeito com o atendimento, exaltado, o prefeito teria começado a gritar com uma médica, que sequer trabalhava na emergência. Teria afirmado que ia demiti-la, pois não estava falando como pai de um paciente, mas como patrão dela. A médica não trabalhava na emergência. Tinha parado ali para consultar uma informação no computador. Estava de passagem pelo local e teria apenas respondido a Paes quando foi questionada sobre a informação. Após o ocorrido, o SinMed/RJ ingressou na Justiça do Trabalho contra o prefeito.

Com informações de O Globo e Portal G1 Rio.

Fonte FENAN