Notícias

ARTIGO - Alterações dos leucócitos na Covid-19 e valor prognóstico

A pandemia de Covid-19, doença infecciosa causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), vem resultando em milhares de óbitos por diversos países. Até o momento, não há tratamento comprovadamente eficaz, embora alguns estudos em andamento com drogas experimentais sejam promissores.

Dessa forma, é importante a identificação de fatores de risco para a infecção (fatores clínicos e epidemiológicos), bem como de fatores de mau prognóstico em pacientes infectados, a fim de reduzir o número de casos e de possibilitar tratamento mais intensivo aos casos mais graves.


Linfopenia e Covid-19
Muitos pesquisadores e médicos que estão na linha de frente contra a Covid-19 vêm notando linfopenia nos indivíduos com infecção grave. Já há estudos que mostram também que tais pacientes apresentam neutrofilia com maior frequência e intensidade do que os casos mais leves.


Estudo relacionado
Um estudo retrospectivo avaliou 245 pacientes com Covid-19 admitidos no Zhongnan Hospital of Wuhan University em janeiro e fevereiro do presente ano. Foram coletados dados sobre aspectos demográficos, comorbidades, quadro clínico, achados laboratoriais e tomográficos. A taxa de mortalidade foi de 13,47%, e os autores observaram que idade avançada, altos níveis de D-dímero e alta razão neutrófilos/linfócitos relacionaram-se a maior risco de óbito. Na população estudada, a razão mostrou-se como um fator de risco independente, principalmente no sexo masculino.

A razão entre o número absoluto de neutrófilos e o de linfócitos é um índice facilmente calculado e que pode contribuir na avaliação do estado inflamatório do doente: a resposta inflamatória estimularia a produção de neutrófilos e a apoptose de linfócitos. Dados na literatura não apenas em doenças infecciosas (incluindo causadas por outros coronavírus, como o MERS-CoV), mas também em neoplasias, síndrome coronariana aguda, hemorragia intracraniana, polimiosite e dermatomiosite, mostram que uma razão alta associa-se a maior risco de mortalidade. Recentes estudos com pacientes com Covid-19 grave observou a mesma associação:

Infecção pelo SARS-CoV-2 → liberação de citocinas (“tempestade de citocinas”) → síndrome da resposta inflamatória sistêmica → aumento dos neutrófilos e redução dos linfócitos → morte celular → ativação da cascata de coagulação → microtromboses → isquemia e disfunção orgânica.

Pensamentos finais
Vale sempre ressaltar que grande parte das informações sobre a infecção pelo novo coronavírus está sendo gerada em tempo real. Dessa forma, é preciso ter cuidado nas suas interpretações e ter ciência de que novos dados podem ser divulgados. Os dados apresentados resultaram de um estudo chinês, com um número relativamente pequeno de participantes, e as diversidades entre as populações de diferentes países podem interferir nos achados e na evolução dos doentes. Sendo assim, mais estudos são necessários para estabelecer de forma mais sólida a relação entre a razão neutrófilos/linfócitos e a taxa de mortalidade nos indivíduos com Covid-19 grave.

Quer receber as principais novidades da pandemia? Inscreva-se e receba nossa news diária, com números da Covid-19 e os estudo mais recentes!

Lívia Pessôa de Sant´Anna - Graduação em Medicina pela Faculdade Federal Fluminense (UFF) ⦁ Residência em Clínica Médica no Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE/UERJ) ⦁ Residência em Hematologia e Hemoterapia no Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE/UERJ)


FONTE PEB MED