Notícias

Nota sobre o Mais Médicos

O Sindicato dos Médicos no Estado de Mato Grosso (Sindimed-MT) defende a substituição dos médicos cubanos, retirados de forma unilaterial pelo governo de Cuba do programa ´Mais Médicos´, por profissionais que cumpram os requisitos legais para o exercício da medicina no País.
 
Para os médicos estrangeiros, o Sindimed-MT defende que o profissional seja submetido ao ´Revalida´, para revalidação de sua formação e o consequente registro no Conselho Regional de Medicina (CRM).
 
O Sindimed-MT também lembra que o país tem médicos formados em faculdades brasileiras em quantidade suficiente para o atendimento da demanda dos municípios, mas é preciso que as autoridades responsáveis pela contratação desses profissionais ofereçam total infraestrutura de trabalho, além de apoio de equipes multidisciplinares, como preconizado pelas normativas nacionais, pleno acesso a exames e uma efetiva rede de referência, com capacidade de encaminhar os casos mais graves.
 
Nesse sentido, o Sindimed-MT entende que o ´Mais Médicos´, criado de forma emergencial, deve passar por profunda revisão pela nova administração do país. A medida evitará que qualquer programa para o SUS - Sistema Único de Saúde - tenha uso ideológico e político seja por outras nações participantes ou pelos agentes políticos regionais e municipais, que desprezam a obrigação de dotar a rede municipal de condições adequadas de trabalho. Da forma atual, o médico do programa ´Mais Médicos´, dado seu vínculo precário, opta por não cobrar melhor infraestrutura e outras obrigações do gestor, submetendo-se a toda sorte. 
 
O Sindimed-MT defende ainda que da reflexão sobre a assistência à população possa resultar na  criação de uma carreira de Estado para o médico, como forma de  fixação dos médicos brasileiros em áreas distantes e de difícil provimento.
 
Sindicato dos Médicos no Estado de Mato Grosso 
 
Evelyn Hack Bidigaray

Presidente do Sindimed-MT